Demônios Da Garoa: Ontem e Hoje

Grupo samba formado no começo da década de quarenta do século XX em São Paulo e que ainda se apresenta nos dias de hoje. Começou com o nome de “Grupo do Luar”. Arnaldo Rosa foi responsável por fundar o conjunto.

Demônios Da Garoa: Ontem e Hoje

Demônios Da Garoa: Ontem e Hoje

Escolha Do Nome

Primeiro concurso dos Demônios da Garoa aconteceu no ano de 1943, quando venceram o programa de calouros intitulado “A Hora da Bomba”, da Rádio Bandeirantes. Como prêmio eles receberam contrato para fazer dias apresentações por semana na rádio.

Por ideia de Vicente Leorace a banda modificou o nome. O mesmo entusiasta do grupo organizou concurso no sentido dos ouvintes escolherem o termo. “Demônios da Garoa” foi o vencedor, mas o nome da pessoa que escolheu até os dias de hoje permanecer sem identidade. De modo provável a escolha teve base no fato de São Paulo ser conhecida como a terra da chuva.

Escolha Do Nome

Escolha Do Nome

Sucesso Inicial: Demônios Da Garoa

Não foi até o ano de 1949 que os Demônios da Garoa fizeram sucesso, momento no qual o conjunto conheceu o compositor Adoniran Barbosa, nas gravações do filme “O Cangaceiro”. No momento nasceu a parceria que trouxe os principais sucessos do grupo junto com o reconhecimento do país.

O bom humor nas letras e melodias foram aspectos que formaram a identidade do grupo. No ano de 1965, depois das mudanças de músicos originais, os Demônios da Garoa gravaram o sucesso “Trem das Onze”, que foi eleita no ano de 2000 como a música-símbolo da cidade de São Paulo, principal ponto de economia e cultura do continente latino-americano. Também surgiram outros sucessos marcados na história do samba de partido alto.

  • Vai no Bexiga pra Ver
  • Vila Esperança
  • Tiro ao Álvaro
  • Ói Nóis Aqui Trá Veiz
  • As Mariposas
  • Iracema
  • Saudosa Maloca
  • O Samba do Arnesto

Sucesso De Vendas!

Entre 1943 e 2013 a grupo de samba vendeu mais de dez milhões de cópias distribuídas em 75 compactos entre simples e duplos, 34 discos de vinil e 13 CDs. Desde a formação original existem números consideráveis nas vendagens. Porém, o dinheiro começou a entrar na conta mesmo depois da gravação de “Trem das Onze”.

No ano de 1994 entraram à lista do Guinness Book como o “conjunto mais antigo de vocal no Brasil ainda em atividades”. Receberam disco de ouro após lançar o álbum que comemora cinquenta anos.

“Saudosa Maloca” também foi outra composição que estourou as vendas dos Demônios da Garoa

Demônios Da Garoa Pós-Formação Clássica

O sucesso do passado faz o conjunto continuar a atuar com força na indústria da música que se encontra diferente da época em que conquistou os sucessos iniciais. A banda atual possui a seguinte composição:

  • Roberto Barbosa: Canhotinho (cavaquinho)
  • Izael Caldeira: Tima;
  • Serginho Rosa: Pandeiro e afoxé;
  • Ricardinho: Percussão. Neto de Arnaldo Rosa (fundador do grupo);
  • Dedé Paraizo: Violão de sete cordas.

Em certos momentos a banda contou com nomes conhecidos na formação como, por exemplo, o expressivo músico no violão de sete cordas em São Paulo: Ventura Ramirez, cuja técnica singular marcou a melodia dos Demônios da Garoa por três décadas. Toninho Gomes e Arnaldo Roda faleceram no começo da primeira década do século XXI, últimos membros da formação clássica.

Curiosidade Máxima!

O grupo Demônios da Garoa tiveram a marca de sempre se apresentar apenas com os integrantes. Porém, depois de gravar o primeiro DVD passou a contar com banda de apoio composta por bateria, contrabaixo e violão com sete cordas.

O grupo gravou o DVD “Vem Cantar Comigo” no sentido de comemorar o recorde de setenta anos de atividade em todo o vapor! O trabalho reúne novidades em sucessos. Péricles, Dudu Nobre, Arnaldo Antunes e Wando são nomes que participaram do projeto.

Começo Dos Demônios Da Garoa: Música e Hobby

Meninos entre doze e quatorze anos de idades apaixonados por cantoria a batucada se encontravam na casa de Arnaldo quase todas as noites, no começo da década de quarenta do século XX. A garotada tocava sucessos da época e ao mesmo tempo imitava os grupos famosos da época, tais como: Vocalistas Tropicais, Anjos do Inferno, Quatro Ases e Um Coringa, entre outros nomes de sucesso.

Depois de certo tempo de treino os garotos passaram a se apresentar nas festas de amigos, serenatas e em clubes, ainda com o nome de Grupo do Luar e sob o comando de Arnaldo Rosa.

De acordo com o site oficial do conjunto a formação original não tinha pretensões de sucesso, visto que não recebiam nada para tocar além dos aplausos.  Mesmo assim eles ficaram conhecidos por causa do sucesso por causa do boca a boca. Pessoas vinham de longas distâncias para escutar o som amador e de qualidade.

Os componentes do conjunto trabalhavam e moravam na Moóca ou nas regiões adjacentes, como Belém e Brás, bairros em que ficaram conhecidos e por onde a fama se espalhou com velocidade. Depois de tanto ensaiar e ganhar elogios dos amigos os garotos resolveram participar do Programa de Calouros da Rádio Bandeiras, no ano de 1943, apresentado por J. Antônio D’Avila no ano de 1943

Formação: Grupo Do Luar – 1942

  • Arnaldo Rosa: Vocal;
  • Waldemar Pezuol: violão;
  • Antonio Espanha: Tantã;
  • Benedito Espanha: Afoxé;
  • Bruno Michelucci: Pandeiro;
  • Zezinho: Violão tenor.

No mês de março de 1943 aconteceu a primeira apresentação oficial do grupo, na Rádio Bandeirantes. Durante o evento apresentaram a música denominada “Quem se Aluga São Miguel”.

Eles conquistaram o público do início ao fim, o que ficou refletido nos intensos aplausos e no prêmio de primeiro lugar que dava o direito de assinar contrato para fazer apresentações nas Emissoras Unidas: Bandeirantes, Record e Pan-Americana. Foi o primeiro passo para a longa carreira de sucessos sem data para terminar!

Descrição: Início Dos Demônios Da Garoa

Conhecidos como um dos grupos mais antigos ainda ativos dentro da música paulistana e brasileira. Surgiu com nome de Grupo do Luar, sem pretensão de sucesso e com objetivo de tocar em festas pequenas e serenatas.

Após o prêmio que ganharam na Rádio Bandeirantes o grupo iniciou trajeto de sucesso. No ano de 1951 e 1952 conquistaram o carnaval paulista com duas composições de Adoniram Barbosa: “Joga a Chave” e “Malvina”.

Artigo Escrito por Renato Duarte Plantier

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Samba

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *