Música Popular Brasileira

Música Popular Brasileira, ou MPB, designa uma tendência popular urbana na música pós-Bossa Nova. Não é um gênero discreto, mas sim uma constelação que combina composições originais e versões atualizadas dos tradicionais estilos musicais brasileiros urbanos como o samba e o samba-canção com influências contemporâneas, do folk ao rock e pop.

Significando muito mais do que a soma das três palavras que indicam, “MPB” é uma tendência contemporânea, que trouxe ao mundo, muitos renomados artistas brasileiros. O termo pode significar qualquer tipo de música de origem brasileira ou uma voz e estilo de guitarra que surgiu no final dos anos 1960.

MPB, é entendido como um “estilo”, estreou em meados dos anos 1960, com a sigla a ser aplicada a tipos de música não-elétricos que surgiram após a ascensão e evolução da bossa nova. Artistas da MPB foram amplamente ligados à população estudantil e intelectual, fazendo com que mais tarde a MPB passe a ser conhecida como “música universitária”.

Por Dentro da História da Música Popular Brasileira (MPB)

O termo Música Popular Brasileira (MPB) pode ser usado também no sentido de conjunto de manifestações artístico musicais do nosso país, sentido com que era usado até a década de 1960. Quando a década de 1950 chegou a metade o gênero dominante até então, a Bossa Nova, dava sinais de que sua popularidade estava caindo. Foi nesse cenário que a MPB, movimento composto por novos artistas, começou a se solidificar.

O samba brasileiro dos compositores da Bossa Nova tinha fortes influências do jazz dos Estados Unidos, porém, durante os anos 1960 passou por novas transformações especialmente porque novos compositores surgiram. Nos seus primeiros anos esse estilo musical era chamado de Música Popular Moderna (MPM) só depois passando a ser conhecido como MPB. As canções que eram encaixadas na categoria MPM apresentavam uma combinação da suavidade do samba da Bossa Nova com elementos novos para a música brasileira.


Músicas que Não se Encaixam

O termo MPM era usado para classificar as canções que pareciam não se encaixar em outras categorias como a música ‘Arrastão’ composta por Edu Lobo e Vinícius de Moraes e que recebeu a interpretação de Elis Regina em 1965. Essa música apresentada na transmissão ao vivo do I Festival de Música Popular Brasileira levou Elis ao estrelato e entrou para a história como o marco oficial da MPB.

Outra música que exemplifica bem essa fase de rotulação foi ‘Pedro Pedreiro’ de Chico Buarque que não sendo samba, não sendo música de protesto e muito menos jovem guarda acabou recebendo o nome de MPM. Dentre os artistas que se consagraram nesse estilo musical está também Geraldo Vandré autor da canção ‘Disparada’. A partir da década de 1970 a sigla MPM deixou de ser usada sendo substituída por MPB.

Temas da MPB

Uma característica que passou da Bossa Nova para a MPB foi a crítica social presente em boa parte das letras. As canções desse estilo musical tem forte palavra contra o imperialismo, a injustiça social em nosso país e contra o regime totalitário imposto pela Ditadura Militar.

Tropicália

Um movimento musical dentro da MPB, a Tropicália ou Tropicalismo, juntou correntes artísticas vanguardistas do final dos anos 1960 com novas propostas estéticas para a música. Embora tenha sido um movimento de curta duração, de 1967 a 1969, teve grande relevância para a música brasileira. Os principais nomes dessa corrente são Caetano Veloso, Gilberto Gil, Os Mutantes, Gal Costa e Tom Zé.

A Nova MPB

Durante sua trajetória a MPB deu origem a novos estilos musicais como o samba-rock e samba-funk assim como recebeu novas influências. Na década de 1990 a MPB recebeu influências mais fortes do samba e do reggae dando origem ao samba-raggae. A MPB foi criada a partir de mudanças no estilo musical dominante em nosso país e foi sendo transformada por novas mudanças, trata-se de um reflexo do que o brasileiro deseja ouvir.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
MPB

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *