Ara Ketu – Biografia

A Bahia é o palco de grandes blocos de Carnaval. Aquela festa que só os baianos sabem fazer e que duram dias e mais dias, enquanto no resto do Brasil, nós nos contentamos com um calendário mais curto.

É na Bahia também que nascem grandes grupos musicais que levam o ritmo baiano para todo o Brasil, como aconteceu com o Ara Ketu, que nasceu em 1980, como um bloco-afro. O grupo foi formado por moradores do subúrbio ferroviário de Periperi, na cidade de Salvador.

O bloco-afro foi formado em 1980, mas a sua primeira vez só aconteceu no carnaval do ano seguinte. Era 1981, quando Ara Ketu foi para as ruas de Salvador homenageando o “rei caçador, Oxóssi”, que ficou sendo o protetor orixá do grupo.

Falando em orixá protetor do grupo é por causa dele que o símbolo do bloco era ofá e as cores também faziam referência a ele, o branco e o azul.

O Bloco Ara Ketu: Projetos Sociais e Músicas na Voz de Outros Artistas

É muito comum que os blocos afros baianos façam trabalhos sociais, além de animar os amantes do carnaval e da música baiana. Assim como o Olodum e o Ilê Aiyê, o bloco Ara Ketu também passou a desenvolver um trabalho social na comunidade de onde era oriundo.

Nos anos 80, época em que nasceu o bloco Ara Ketu, esse tipo de grupo baiano não era conhecido fora da Bahia. O trabalho deles ficava meio invisível para o resto do país. Porém, alguns artistas que já eram conhecidos regravavam as canções dos blocos. No caso do Ara Ketu, Margareth Menezes e a Banda Reflexu’s são exemplos de quem gravou canções do bloco.

Foram muitos casos, que grupos como Ara Ketu, que não eram conhecidos no país inteiro, tiveram suas músicas mais conhecidas através de outros artistas. Um exemplo no caso do Ara Ketu, foi a música “Uma História de Fã”, que fazia parte do primeiro disco do grupo, gravado em 1987, que fez mais sucesso quando foi gravada por Margareth Menezes. No ano seguinte da gravação original do Ara Ketu, a cantora gravou no seu CD e fez muito sucesso com a música em todo o Brasil e até mesmo no exterior.

Como Foram os Primeiros Passos do Ara Ketu

Quando nasceu o bloco-afro Ara Ketu, ele era formado somente de percussão, além de ter os próprios dançarinos e os chamados associados que fazia referência ao chamado “Ara”. Era dessa forma que os fãs chamavam o bloco. Com o passar do tempo, novos instrumentos foram chegando para incrementar o bloco-afro, os de sopro, o teclado e a bateria. Dessa forma o Ara Ketu passou por uma total reformulação.

Aliás, por causa dessa mudança, o Ara Ketu é considerado o primeiro bloco-afro que perdeu a sua característica inicial e passou por vários mudanças no próprio estilo musical. Com essa reformulação, ele deixou de ser só afro para misturar novos ritmos, como o Axé e Pagode. Isso aconteceu em 1990, 10 anos depois da sua formação como bloco-afro.

Depois da reformulação foram mais 7 anos para que o Ara Ketu entrasse definitivamente na nova fase de grupo de axé. Era 1987, quando a banda gravou o seu primeiro trabalho pela gravadora Continental.

No ano de 1994, o Ara Ketu entrou de novo em estúdio para gravar o segundo disco, dessa fez com selo da Columbia e no mesmo ano, em novembro, aproveitando o sucesso, que já era nacional, lançou o terceiro álbum, “Bom Demais”. Depois de dois discos seguidos, o Ara Ketu fez um jejum de 4 anos e gravou o novo disco em 1998, que seria o primeiro ao vivo. O álbum fez um grande sucesso e o Ara Ketu faturou o certificado de diamante.

As Mudanças na Banda Ara Ketu

Os anos de sucesso seguiram, mas no ínicio dos anos 2000, o Ara Ketu, assim como algumas outras bandas da Bahia voltaram a fazer mais sucesso local e não eram mais tão badaladas no Brasil inteiro.

No ano de 2007, aconteceu a primeira mudança no grupo, o vocalista Tatau, que era marca registrada do Ara Ketu anunciou a sua saída para seguir carreira solo. No lugar de Tatau, o grupo optou por uma voz feminina, entrou Larissa Luz. A cantora ficou a frente da banda de 2007 a junho de 2012. E algo inédito aconteceu no Ara Ketu, que teve o seu vocalista Tatau de volta no comando, ele retornou no dia 5 de junho de 2012.

Com a volta de Tatau ao comando do Ara Ketu e com o sucesso de volta das bandas da Bahia, o grupo voltou a ganhar notoriedade no Brasil inteiro, principalmente, revivendo grandes sucessos nos palcos dos shows, sempre lotados.

Os Prêmios Que o Ara Ketu Acumulou Até Hoje

Durante todo esse período, desde que o Ara Ketu foi criado, a banda vem acumulando alguns importantes prêmios pela sua atuação. Veja o que a banda ganhou, o primeiro em 1997 e o último em 2011!

  1. Como bloco-afro ainda, o Ara Ketu faturou em 1997, o Troféu Dodô e Osmar, como Melhor Bloco-afro. Um importante prêmio baiano.
  2. Já reformulado, não mais como bloco-afro , o Ara Ketu ganhou em 1998, o Prêmio Top de Marketing – Entretenimento, Turismo e Lazer.
  3. Em 1998 e fazendo sucesso em todo o Brasil, o Ara Ketu já reformulado, levou o troféu no programa da Rede Globo, o Planeta Xuxa. A banda levou o prêmio de Melhor Música – Troféu Planeta Xuxa.
  4. No ano de 2001, o reconhecimento do trabalho feito em estúdio, o Troféu Caymmi, pelo Melhor CD de Axé daquele ano.
  5. Em 2005, o Ara Ketu levou mais um prêmio, dessa vez não relacionado a música, mas como representatividade, o Troféu Raça Negra.
  6. O Ara Ketu ganhou mais uma vez o Troféu Dodô e Osmar, no ano de 2006, assim como tinha ganho com o bloco-afro, dessa vez, reformulado, venceu como Melhor Bloco Barra – Olinda. O trajeto que o grupo fazia no trio elétrico durante o carnaval, arrastando a multidão.
  7. Em 2009, o Ara Ketu levou o prêmio de Melhor Grupo de Axé, oferecido pela Press Ward.
  8. Em 2011, mais um troféu Dodô e Osmar, concedido a cantora que estava comandando a banda na época, como Melhor Cantora Afro.

Gostou? Curta e Compartilhe!

Categoria(s) do artigo:
Bandas

Artigos Recentes

Artigos Relacionados


Artigos populares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *